6 de dez de 2010

''RELIGIÃO = SEM IMPORTÂNCIA''

Cristianismo, Judaísmo e Islanismo.   
Três interpretações de uma mesma invenção. 

A fé acorrenta bilhões de pessoas ao preconceito contra a mulher,  contra o sexo, e contra o desenvolvimento da ciência. Existe um "mal irremediável", uma marca forte na consciência do devoto: o achar de que toda as outras opiniões não são válidas. A religião envenena tudo.  

(Muitas pessoas dizem respeitar as religiões. Eu prefiro definir bem minha posição. Respeito o direito de alguém acreditar e fazer parte de alguma religião, mas não respeito a religião em si. Respeito pessoas, não idéias).


''SUJEIRA NO ISLANISMO''

(02/12/10) Dois afegãos convertidos ao cristianismo podem enfrentar a pena de morte por renunciar ao islamismo, segundo a legislação local, num caso que evidencia as contradições de um país que é signatário da Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Apedrejamento.


É um meio de execução muito antigo, consistente em que os assistentes lancem pedras contra o réu, até matá-lo.
Como uma pessoa pode suportar golpes fortes sem perder a consciência, a lapidação pode produzir uma morte muito lenta.
Aparece na Bíblia em várias passagens, como na narração da intervenção de Jesus salvando da lapidação uma adúltera
(de acordo com a Lei de Moisés, quem fosse descoberto praticando adultério deveria ser apedrejado publicamente).

Até hoje essa pena ainda é praticada em alguns países muçulmanos.
O apedrejamento está previsto na lei islâmica, a Sharia, para punir tanto mulheres como homens adúlteros e homossexuais.
Alguns países muçulmanos, como o Irã, o Sudão e a Nigéria instituíram esta visão radical do Islã em seu sistema judicial.

(Obs - As mulheres são mais propensas a serem acusadas de adultério no Irã porque elas não podem requerer o divórcio,
ao contrário de seus maridos, que podem o fazer quando estiverem insatisfeitos.
Além do homem ter o direito de se casar com cinco mulheres,
ele também pode manter relações sexuais com uma mulher solteira por meio do “casamento temporário”).


''O CORÃO VS A BÍBLIA''


Corão

O Corão tem sido apontado como a fonte que alimenta os fundamentalistas islâmicos que espalham o terror no mundo. São eles os responsáveis pela carnificina da queda das torres gêmeas de Nova Iorque, em 11 de setembro de 2001, e pela existência de um exército de homens-bombas.
De fato, há no livro sagrado dos muçulmanos passagens que incitam a violência, como estas:


 “Sabei que aqueles que contrariam Alá e seu mensageiro serão exterminados,
como o foram os seus antepassados; por isso Nós lhe enviamos lúcidos versículos e,
aqueles que o negarem sofrerão em afrontoso castigo.”
(Alcorão, Surata, 58,5)  

''Ó fiéis, não tomeis por amigos os judeus nem os cristãos; que sejam amigos entre si.
Porém, quem dentre vós os tomar por amigos, certamente será um deles; e Alá não encaminha os iníquos.''
(Alcorão, Surata 5,51)

"Combatei aqueles que não crêem em Alá e no Dia do Juízo Final,
nem abstêm do que Alá e seu mensageiro¹proibiram, e nem professam a verdadeira religião daqueles que receberam o Livro,
até que, submissos, paguem o Jizya.''
(Alcorão, Surata 9,29)


 Bíblia

A bíblia é ainda mais violenta:

“Vai, pois, agora e fere a Amaleque; e destrói totalmente a tudo o que tiver,
e não lhe perdoes; porém matarás desde o homem até a mulher, desde os meninos até aos de peito,
desde os bois até as ovelhas, e desde os camelos até aos jumentos.''
(1 Samuel 15:3)

''Disse Deus a Moisés: Toma todos os cabeças do povo e enforca-os ao Senhor diante do Sol,
e o ardor da ira do Senhor se retirará de Israel.''
(Números 25:4)
 
Ordem do Senhor: "sem compaixão... matai velhos, mancebos, e virgens, e meninos, e mulheres, até exterminá-los".
(Ezequiel 9:4-6)


  Mas lembrem-se: ''DEUS É AMOR'' - (1 João 4:8)

Acredito que a bíblia é um livro onde não deveria nunca ser lido por crianças.
Vejo ali crueldade de todos os tipos:

Execução de vítimas, estupros, genocídio de etnias inteiras, maus tratos de animais... é o livro mais sanguinário que já existiu.
Um manual de maus costumes.

Ainda assim, o cristianismo comete a maior injustiça de amaldiçoar toda a humanidade pelos atos de rebeldia de dois indivíduos (Adão e Eva).
É um princípio básico de justiça o inocente não ser punido pelos erros do culpado.
Nenhum ser racional preocupado com a justiça pune um inocente pelos crimes (reais ou imaginários) de outra pessoa.

Além de tudo isso, a bíblia, este mundo mágico inclue cobras falantes, mulas falantes,
uma fruta que faz você ficar esperto, dedos flutuantes escrevendo em muros,
uma árvore que deixa você imortal, comida caindo do céu, cajados virando serpentes,
água virando sangue, pessoas voltando dos mortos, o sol parando por horas, bruxas lendo o futuro,
anjos dormindo com humanas, pessoas que passam dias no estomago de uma baleia,
virgens dando a luz e incontáveis aparições de anjos e demônios. 

Fascinante, sem dúvida uma literatura fantástica.
Mas obviamente, uma ficção.

A bíblia e o corão não são os únicos livros que reivindicam ser a palavra de Deus,
e é na verdade apenas dois entre muitas outras obras, como por exemplo o Livro Egípcio dos Mortos, O Vedas,
O Bhagavtah Guita, o Adi Granth, o Purvas, o Livro de Mórmon entre outros.
Sem exceção, todos os argumentos utilizados pelos defensores da bíblia podem também ser usados por estes outros livros,
e muitas vezes com ainda mais autoridade.
Acreditar em todos, seria um contra-senso. 

Acreditar em um, uma ingenuidade.


''A divindade é um conjunto de normas e preceitos que os homens estabeleceram em torno de uma Figura para exigir a si mesmos (ou talvez seria melhor dizer para exigir a outros) uma fé inquebrantável e absoluta,
em que tudo se justifica, desde negar-se a si mesmo até à extenuação, ou morrer oferecido em sacrifício,
ou MATAR em nome de Deus.''
(José Saramago)



''MACHISMO NA BÍBLIA''


Segundo os judeus, Deus os mandou rezar toda manhã, e os homens tem que dizer: ''Graças a Deus, não sou mulher.'' E as mulheres dizem: ''Graças a Deus, eu sou o que sou.''
Mas isso não foi criado por Deus, e sim pelos homens. Pelos HOMENS para ser exato, do sexo masculino. Assim mantinham as mulheres em seus lugares. Assim é fácil. Deus não decidiu isso.
Os homens usaram a religião para controlar as mulheres. No entanto, o impulso por controlar as mulheres existiria mesmo que não acreditassem em Deus. Só que seria mais difícil convencer as mulheres de que elas eram propriedade dos homens, se não dissessem que esse era o desejo de Deus. 

Dizendo que era da vontade de Deus, elas poderiam aceitar,
assim como os escravos. 

Então, com o uso da religião, a invenção da divindade, conseguiram disfarçar o que obviamente seria uma ditadura débil e hipócrita criada pelo homem.
É a repulsa masculina pelo que ele mais deseja.
Os homens precisam das mulheres, e não gostam do fato de que precisam delas. Eles repugnam essa necessidade.
E assim a religião transforma isso em um sistema, e o torna sagrado.


Deuteronômio 24, 1: ''Quando um homem se casa com uma mulher e consuma o matrimônio,
se depois ele não gostar mais dela, por ter visto nela alguma coisa inconveniente,
escreva para ela um documento de divórcio e o entregue a ela, deixando-a sair de casa em liberdade.''


Eclesiastes 9, 2: ''Não se entregue a uma mulher, para que ela não o domine.''

1 Coríntios 14, 34-35: ''Que as mulheres fiquem caladas nas assembléias,
como se faz em todas as igrejas dos cristãos, pois não lhes é permitido tomar a palavra.
Devem ficar submissas, como diz também a lei. Se desejam instruir-se sobre algum ponto, perguntem aos maridos em casa.''


Colossenses 3, 18: ''Mulheres, sejam submissas a seus maridos, pois assim convém a mulheres cristãs.''




Quando lerem algum texto sobre a bíblia considere alguns pontos da minha crença sobre ela:
Não é um livro escrito em um dia mágico e inspirado por Deus.
A bíblia não desceu do céu das mãos de Deus direto para as mãos dos homens (se Deus existe, ele não escreveu um livro).
Ela contém mitos, fábulas e anacronismos, assim como figuras de linguagem.
Foi escrita em épocas diferentes, por pessoas diferentes, expressa a cultura de povos antigos assim como suas crenças,
pesares e perspectivas dos acontecimentos do mundo à sua volta.
A cultura do oriente médio é extremamente machista,
e os livros da bíblia foram escritos por essas pessoas que viviam a sua própria cultura.


> assista aqui, Provando que a bíblia é repulsiva < 

> e também, Provando que a bíblia é repulsiva: resposta às críticas < 






''CRUELDADE''

Toda vez que eu afirmo isso, que em meu modo de ver há um defeito básico com a fé religiosa, com as religiões organizadas, as pessoas em geral me respondem que não é bem assim, que há pontos positivos na religião, que muitas vezes elas ajudam outras pessoas, ou fazem o bem, ou se comportam de modo benéfico.
Vou pegar como gancho essa notícia recente sobre a decisão do TJ-SP de enviar pais Testemunhas de Jeová a juri popular, acusados pela morte da filha por recusa de transfusão de sangue, para deixar mais claro meu ponto de vista,
e porque penso haver algo de intrinsicamente perigoso na fé religiosa de qualquer tipo.


Na grande maioria dos sites em que a notícia foi publicada, parte dos comentários é de apoio aos pais, por parte de outras Testemunhas de Jeová, que se consideram perseguidos, e que, em rompantes de arrogância,
vaidade e orgulho, se consideram melhores por agirem de forma mais fundamentalista para com sua fé.
A “perseguição” seria a prova de que são os escolhidos por deus, conforme as profecias que seus líderes afirmam existir.
Os pais da menina, ainda que eu entenda que devem sentir a dor da perda,
têm orgulho de terem ido até o fim para demonstrar sua fé e sua obediência a deus.
Sentem que é isso mesmo, que ir até o fim, que ''dar um filho para Deus'' é a demonstração máxima de fé.
Um sacrifício humano.



Um exemplo: 


Abraão não podia discutir com Deus e dizer ''veja bem, Deus, isso não me parece razoável.
Sacrificar meu filho caçula para provar que te amo mais que tudo, é irracional, cruel, violento e insano”.
(Como você se relacionaria com seu pai, depois que este tentasse cortar seu pescoço para um deus?).  
 

(((( GÊNESIS 22: 1-13 ))))

Em geral quando menciono este episódio bíblico “edificante”, me dizem que é uma alegoria,
que é algo de nosso passado tribal, que as coisas mudaram,
que ninguém levaria a sério a idéia de matar um filho para mostrar algo a deus, etc, etc.
Mas a notícia da morte da menina, e as mortes muito comuns nos EUA devido a essa recusa,
é exatamente isso, um sacrifício de um ente querido a um deus com suas exigências absurdas.
Não no passado, não em tribos bárbaras do deserto, mas no meio de nossa sociedade moderna, nos dias de hoje.

As religiões organizadas alegam (praticamente todas elas) o que este deus pretende, deseja, objetiva, e espera das pessoas.
E é esse o defeito principal, o perigo fundamental, de toda religião.
Perigo que no caso da pobre menina de 13 anos, foi fatal. Seus pais, que deveriam protegê-la de tudo, acolhê-la,
garantir sua segurança, felicidade e vida, decidiram sacrificá-la em nome de um deus proveniente de sua crença.





Alegar que a religião traz benefícios, só para usar uma analogia com fatos recentes,
seria o mesmo que justificar que o tráfico de drogas é bom porque põe comida na mesa de adolescentes
que não conseguiriam dinheiro de outra maneira.


''A ironia da religião é que, por causa do seu poder de divergir o homem para fins destrutivos, 
o mundo pode acabar mesmo. 
O fato é que a religião tem que morrer para a humanidade viver.
Está ficando tarde, 

e não dá mais para que decisões importantes sejam tomadas por pessoas irracionais, que guiam os navios-nações não com uma bússola, mas com um livro de receitas de cozinha.
Fé significa fazer virtude do não pensar. 

Não é algo para se gabar.
E aqueles que pregam a fé,

a validam, e a enaltecem,
mantém a humanidade presa na fantasia e no absurdo que já justificou tanta loucura e destruição.

A religião é perigosa porque permite aos seres humanos que não tem todas as respostas, acharem que as tem.
A maioria das pessoas devem achar maravilhoso quando alguém diz: 'Eu desejo Senhor. Faço qualquer coisa por Ti'.
Mas como não há deuses falando conosco, essas vontades são preenchidas por pessoas
com suas próprias corrupções, limitações e motivos.
Qualquer pessoa que te diga que sabe o que acontece quando você morre, eu garanto, não sabe.
Como eu tenho certeza?
Porque eu não sei, e ninguém tem poderes mentais que eu não tenha.
A única atitude apropriada para o homem sobre grandes questões, não é a certeza arrogante
que é a marca registrada da religião, mas a dúvida.

A dúvida é humilde e é assim que o homem
precisa ser, considerando que a história humana é uma merda repleta de mortes erradas.
É por isso que pessoas racionais, anti-religião devem acabar com a timidez,
saírem do armário, e se declarar. 

E aqueles que se consideram apenas religiosos moderados,
precisam se olhar no espelho e perceber que o conforto que a religião oferece,
custa um preço terrível.
  '' - Bill Maher



(Richard Dawkins): ''E se você estiver errado?''


...

Nenhum comentário:

Postar um comentário